???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.domhelder.edu.br/handle/tede/32
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorBAROUCH, Ricardo ferreira-
dc.contributor.advisor1RIBEIRO, Luiz Gustavo Gonçalves-
dc.date.accessioned2020-07-14T17:10:06Z-
dc.date.issued2020-02-10-
dc.identifier.citationBAROUCH, Ricardo ferreira. estado ambiental e a sua tutela judicial - proteção ecológica e participação popular por meio do processo coletivo democrático. 2020. quantidade de folhas, 177. Dissertação( Pós-Graduação em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável) - Dom Helder Escola de Direito, local da defesa, escola superior dom helder câmara .por
dc.identifier.urihttp://10.10.15.28/handle/tede/32-
dc.description.resumoTem-se o objetivo de sugerir a existência do Estado Ambiental e a sua proteção por meio da tutela judicial coletiva, para potencializar a proteção do meio ambiente e a promoção da qualidade de vida. Para tanto, parte-se da hipótese de que a edificação do Estado moderno permitiu a afirmação do Estado Ambiental. De sorte a comprovar essa premissa, rememora-se a formulação do Estado Liberal, que tinha por desiderato proteger as liberdades e o patrimônio dos cidadãos em face do arbítrio estatal que se manifestava pelo absolutismo. Entretanto, mostra-se que, com a assunção das desigualdades sociais ocasionadas pelo liberalismo, houve intensa organização dos trabalhadores, a fim de obter melhores condições de trabalho e proteção jurídica do Estado. Contudo, depois de décadas da revolução industrial, formou-se a perspectiva de que, além dessas desigualdades, o desenvolvimento haveria de ocasionar colapso dos recursos naturais e, em consequência, da própria sociedade. A contar dessas previsões, algumas apocalípticas, instaura-se a pauta ecológica por meio de conferências internacionais que, a seu turno, são incorporadas pelos textos constitucionais. A Constituição brasileira de 1988 seguiu essa tendência e inovou ao estabelecer tratamento especial ao meio ambiente em capítulo próprio e diversas passagens de seu texto. Por isso, constitui o marco teórico da pesquisa. Instituída a proteção verde e a qualidade de vida, surge a necessidade de sua afirmação por meio de processo coletivo e efetivo. O acesso ao Judiciário e a participação democrática do cidadão são apontados como fatores fundamentais para estabelecer o processo coletivo como âmbito adequado da realização da salvaguarda ecológica. E em função da participação democrática do povo, a decisão judicial deverá ser antecedida de amplo diálogo com a sociedade e apontada para o futuro, sem a consideração do dano para haver a prestação jurisdicional. Considera-se que essas medidas não importam ativismo judicial, tampouco ofensa à separação de poderes, na medida em que o povo estará a atuar para a consecução do Estado Ambiental. De tudo isso, conclui-se que a proteção ecológica deve ocorrer por meio de processo coletivo com ampla participação da sociedade, por meio de representantes adequados. Empregou-se a pesquisa qualitativa e exploratória, através do método hipotético-dedutivo, a entender-se que a proteção ambiental e a qualidade de vida são elementos universais.por
dc.description.abstractIt aims to suggest the existence of the Environmental State and its protection through collective judicial protection, to enhance the protection of the environment and the promotion of quality of life. To this end, it is part of the hypothesis that the construction of the modern State allowed the affirmation of the Environmental State. Lucky to prove this premise, the formulation of the Liberal State, which had to protect the freedoms and assets of citizens in the face of state agency that manifested itself by absolutism, is recalled. However, it is shown that, with the assumption of social inequalities caused by liberalism, there was intense organization of workers in order to obtain better working conditions and legal protection of the State. However, after decades of the industrial revolution, the prospect that, in addition to these inequalities, development would cause the collapse of natural resources and, consequently, society itself. From these predictions, some apocalyptic, the ecological agenda is established through international conferences that, in turn, are incorporated by the constitutional texts. The Brazilian Constitution of 1988 followed this trend and innovated by establishing special treatment to the environment in its own chapter and several passages of its text. Therefore, it constitutes the theoretical framework of research. The green protection and quality of life are instituted, the need for its affirmation arises through collective and effective process. Access to the judiciary and the democratic participation of the citizen are pointed out as fundamental factors to establish the collective process as an adequate scope of ecological safeguarding. And depending on the democratic participation of the people, the judicial decision should be preceded by broad dialogue with society and pointed out for the future, without consideration of the damage to have jurisdiction. It is considered that these measures do not matter judicial activism, nor an offense to the separation of powers, to the extent that the people will be acting to achieve the Environmental State. Of all this, it is concluded that ecological protection must occur through collective process with broad participation of society, through adequate representatives. Qualitative and exploratory research was used through the hypothetical-deductive method, to understand that environmental protection and quality of life are universal elements.por
dc.description.provenanceSubmitted by LUCAS MEDEIROS DE CUNHA (lucas.cunha@domhelder.edu.br) on 2020-07-13T15:39:25Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) RICARDO BAROUCH.pdf: 1181405 bytes, checksum: 79f343fc2367a84d5b8020dc56c2e841 (MD5)eng
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Lucas Freitas Junior (lucas.junior@domhelder.edu.br) on 2020-07-14T17:09:55Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) RICARDO BAROUCH.pdf: 1181405 bytes, checksum: 79f343fc2367a84d5b8020dc56c2e841 (MD5)eng
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Lucas Freitas Junior (lucas.junior@domhelder.edu.br) on 2020-07-14T17:10:06Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) RICARDO BAROUCH.pdf: 1181405 bytes, checksum: 79f343fc2367a84d5b8020dc56c2e841 (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2020-07-14T17:10:06Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) RICARDO BAROUCH.pdf: 1181405 bytes, checksum: 79f343fc2367a84d5b8020dc56c2e841 (MD5) Previous issue date: 2020-02-10eng
dc.formatapplication/pdf*
dc.languageporpor
dc.publisherDom Helder Escola de Direitopor
dc.publisher.departmentDom Helder Escola de Direitopor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsESDHCpor
dc.publisher.programPós-Graduação em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentávelpor
dc.relation.referencesACKERMAN, Bruce. Adeus, Montesquieu (trad. Diego Werneck Arguelhes e Thomaz Henrique Junqueira de Andrade Pereira). Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 265, p. 13-23, jan./abr. 2014. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/18909/17652>. Acesso em: 06 nov. 2019. ________. A nova separação dos poderes (trad. Isabelle Maria Campos Vasconcelos e Eliana Valadares Santos). Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009, 2ª tiragem, 116 p. ALMEIDA, Ursula Ribeiro de. Tutela de urgência no Direito Ambiental – instrumento de efetivação do princípio da precaução. São Paulo: Atlas, 2015, 218 p. ANTUNES, Paulo de Bessa. Dano ambiental – uma abordagem conceitual. São Paulo: Atlas, 2015, 2ª ed., 224 p. _______. Precautionary principle on brazilian environmental law. Revista Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 13, n. 27, p. 63-88, set./dez. 2016. Disponível em: <http://www.domhelder.edu.br/revista/index.php/veredas/article/view/877>. Acesso em: 25 set. 2019. ARENHART, Sérgio Cruz. Processos estruturais no Direito brasileiro: reflexões a partir do caso da ACP do carvão. In: O processo para solução de conflitos de interesse público (coord. Ada Pellegrini Grinover, Kazuo Watanabe, Susana Henriques da Costa). Salvador: JusPodivm, 2017, 650 p. AZAMUBJA, Darcy. Teoria geral do Estado. São Paulo: Globo, 2011, 2ª ed., 1ª reimpressão, 455 p. BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco. Repercussão geral em recurso extraordinário e o papel do ‘amicus curiae’. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, n. 5, p. 169-177, jul./dez. 2013. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5007487>. Acesso em: 18 out. 2019. BARACHO, José Alfredo de Oliveira. O princípio de subsidiariedade – conceito e evolução. Rio de Janeiro: Forense, 2003, 95 p. BARBOSA, Rui. Posse de direito pessoais. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, Obras completas de Rui Barbosa, vol. XXIII, vol. III, 1896. Disponível em: <http://docvirt.com/docreader.net/docreader.aspx?bib=ObrasCompletasRuiBarbosa&pasta=V ol.%20XXIII%20(1896)\Tomo%20III&pesq=>. Acesso em: 23 out. 2019. BARBI, Celso Agrícola. Perspectivas do mandado de segurança. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, n. 2, 1962, p. 131-144. Disponível em: <https://www.direito.ufmg.br/revista/index.php/revista/article/view/1342/1274>. Acesso em: 23 out. 2019. BARCELLOS, Ana Paula de. Neoconstitucionalismo, direitos fundamentais e controle das políticas públicas. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, 240, p. 83-103, abr./jun. 2005. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/43620/44697>. Acesso em: 15 nov. 2015. BAROUCH, Ricardo Ferreira; CUSTODIO, Maraluce Maria. As organizações da sociedade civil de interesse público e a sua participação na formação da consciência ambiental em relação às mudanças climáticas. Revista Internacional de Direito Ambiental, vol. 8, n. 23, p. 227-250, 2019. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7071294>. Acesso em: 15 nov. 2019. BARROSO, Luís Roberto. A proteção do meio ambiente na Constituição brasileira. In: Doutrinas essenciais Direito Ambiental (org. Édis Milaré e Paulo Affonso Leme Machado). São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015, 2ª tiragem, vol. I, p. 1001-1037. _______. A viagem redonda: habeas data, direitos constitucionais e as provas ilícitas. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, n. 213, p. 149-163, jul./set. 1998. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/47206/45406>. Acesso em: 29 out. 2019. _______. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do direito (o triunfo tardio do direito constitucional no Brasil). Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, n. 240, p. 1-42, abr./jun. 2005. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/43618>. Acesso em: 16 nov. 2019. _______. O Direito Constitucional e a efetividade de suas normas. Rio de Janeiro: Renovar, 2003, 7ª ed., 369 p. BEYNON, Huw. Protesto ambiental e mudança social no Reino Unido (trad. John Comerford). MANA 5(1):7-28, 1999. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/mana/v5n1/v5n1a01.pdf>. Acesso em: 16 out. 2019. BODNAR, Zenildo; STAFFEN, Márcio Ricardo. Audiência judicial participativa como instrumento de acesso à justiça ambiental: diálogo com Elio Fazzalari. Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, Macapá, n. 2, p. 89-104, 2010. Disponível em: <https://periodicos.unifap.br/index.php/planeta/article/view/127/n2Staffen.pdf>. Acesso em: 16 out. 2019. BONAVIDES, Paulo. Teoria constitucional da democracia participativa. São Paulo: Malheiros, 2008, 3ª ed., 392 p. BRASIL. Chefia do Governo Provisório dos Estados Unidos do Brasil. Decreto nº. 24.643, de 10 de julho de 1934. Decreta o Código de Águas. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D24643.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Complementar nº 140, de 08 de dezembro de 2011. Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em qualquer de suas formas e à preservação das florestas, da fauna e da flora; e altera a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/LEIS/LCP/Lcp140.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 1.533, de 31 de dezembro de 1951. Altera disposições do Código do Processo Civil, relativas ao mandado de segurança. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L1533.htm>. Acesso em: 15 out. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 4.717, de 29 de junho de 1965. Regula a ação popular. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4717.htm>. Acesso em: 29 out. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo Código Florestal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L4771.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 5.197, de 03 de janeiro de 1967. Dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5197.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L6938.htm>. Acesso em: 16 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 7.347, de 24 de julho de 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico (vetado) e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7347orig.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº 8.171, de 17 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política agrícola. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8171.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9433.htm>.Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9605.htm>.09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 9.637, de 15 de maio de 1998. Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e a absorção de suas atividades por organizações sociais, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9637.htm>. Acesso em: 02 dez. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal º. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9795.htm>. Acesso em: 16 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 9.868, de 10 de novembro de 1999. Dispõe sobre o processo e julgamento da ação direta de inconstitucionalidade e da ação declaratória de constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9868.htm>. Acesso em: 09 out. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 9.507, de 12 de novembro de 1999. Regula o direito de acesso a informações e disciplina o rito processual do habeas data. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9507.htm>. Acesso em: 18 out. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 9.882, de 03 de dezembro de 1999. Dispõe sobre o processo e julgamento da argüição de descumprimento de preceito fundamental, nos termos do §1º do art. 102 da Constituição Federal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9882.htm>. Acesso em: 10 out. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº 9.885, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº 11.105, de 24 de março de 2005. Regulamenta os incisos II, IV e V do § 1º do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados – OGM e seus derivados, cria o Conselho Nacional de Biossegurança – CNBS, reestrutura a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio, dispõe sobre a Política Nacional de Biossegurança – PNB, revoga a Lei nº 8.974, de 5 de janeiro de 1995, e a Medida Provisória nº 2.191-9, de 23 de agosto de 2001, e os arts. 5º , 6º , 7º , 8º , 9º , 10 e 16 da Lei nº 10.814, de 15 de dezembro de 2003, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004- 2006/2005/Lei/L11105.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 11.284, de 2 de março de 2006. Dispõe sobre a gestão de florestas públicas para a produção sustentável; institui, na estrutura do Ministério do Meio Ambiente, o Serviço Florestal Brasileiro - SFB; cria o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal - FNDF; altera as Leis nºs 10.683, de 28 de maio de 2003, 5.868, de 12 de dezembro de 1972, 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, 4.771, de 15 de setembro de 1965, 6.938, de 31 de agosto de 1981, e 6.015, de 31 de dezembro de 1973; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004- 2006/2006/Lei/L11284.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11445.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 11.516, de 28 de agosto de 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - Instituto Chico Mendes; altera as Leis nos 7.735, de 22 de fevereiro de 1989, 11.284, de 2 de março de 2006, 9.985, de 18 de julho de 2000, 10.410, de 11 de janeiro de 2002, 11.156, de 29 de julho de 2005, 11.357, de 19 de outubro de 2006, e 7.957, de 20 de dezembro de 1989; revoga dispositivos da Lei no 8.028, de 12 de abril de 1990, e da Medida Provisória no 2.216-37, de 31 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11516.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12187.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007- 2010/2010/Lei/L12305.htm>. Acesso em: 18 out. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº. 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015- 2018/2015/Lei/L13105.htm>. Acesso em: 29 out. 2019. ______. Congresso Nacional. Lei Federal nº 13.300, de 23 de junho de 2016. Disciplina o processo e o julgamento dos mandados de injunção individual e coletivo e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015- 2018/2016/Lei/L13300.htm>. Acesso em: 29 out. 2019. ______. Constituição (1891). Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 24 de fevereiro de 1891. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Constituicao91.htm>. Acesso em: 20 set. 2019. ______. Constituição (1934). Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 16 de julho de 1934. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Constituicao34.htm>. Acesso em: 22 set. 2019. ______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais ns. 1/1992 a 78/2014, pelo Decreto Legislativo n. 186/2008 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão ns. 1 a 6/1994. Brasília, DF: Senado Federal, 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 16 set. 2019. ______. Presidência da República. Decreto 1.713, de 14 de junho de 1937. Cria o Parque Nacional do Itatiaia. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930- 1939/decreto-1713-14-junho-1937-459921-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em 09 set. 2019. ______. Presidência da República. Decreto-Lei nº 1.985, de 29 de março de 1940. Código de Minas. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937- 1946/Del1985.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Presidência da República. Decreto nº 73.030, de 30 de outubro de 1973. Cria, no âmbito do Ministério do Interior, a Secretaria Especial do Meio Ambiente - SEMA, e dá outras providências. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1970- 1979/decreto-73030-30-outubro-1973-421650-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Presidência da República. Decreto nº. 4.339, 22 de agosto de 2002. Institui princípios e diretrizes para a implementação da Política Nacional da Biodiversidade. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4339.htm>. Acesso em: 09 set. 2019. ______. Superior Tribunal de Justiça, Agravo regimental no agravo nº 1.249.132/SP, relator ministro Luiz Fux, Primeira Turma, julgado em 24 ag. 2010, publicado em 09 set. 2010. Disponível em: <https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/inteiroteor/?num_registro=200902248850&dt_publica cao=09/09/2010>. Acesso em: 10 out. 2019. ______. Supremo Tribunal Federal. Agravo em recurso extraordinário nº. 824.781/MT, relator min. Dias Toffoli, julgado em 27 ag. 2015, publicado em 09 de out. 2015. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=9551425>. Acesso em: 18 out. 2019. BENJAMIN, Antônio Herman V. Introdução ao Direito Ambiental brasileiro. In: Doutrinas essenciais Direito Ambiental (org. Édis Milaré e Paulo Affonso Leme Machado). São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015, 2ª tiragem, vol. I, p. 41-91. BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992, 7ª reimpressão, 217 p. BODNAR, Zenildo; CRUZ, Paulo Márcio. O acesso à justiça e as dimensões materiais da efetividade da jurisdição ambiental. Pensar, Fortaleza, v. 17, n. 1, p. 318-346, jan./jun. 2012. Disponível em: <https://periodicos.unifor.br/rpen/article/view/2293/pdf>. Acesso em: 18 set. 2019. BONAVIDES, Paulo. Do Estado Liberal ao Estado Social. São Paulo: Malheiros, 2004, 7ª ed., 2ª tiragem, 216 p. ___________. Teoria constitucional da democracia participativa: por um Direito Constitucional de luta e resistência, por uma nova hermenêutica, por uma repolitização da legitimidade. São Paulo: Malheiros, 2008, 3ª ed., 392 p. ___________. Teoria do Estado. São Paulo: Malheiros, 2008, 7ª ed., 529 p. BRUNDTLAND, Gro Harlem. Salud y desarrollo sostenible. Disponível em: <http://www.trabajoyambiente.com.ar/php/documentos/doc110_Salud%20y%20desarrollo%2 0sostenible.pdf>. Acesso em: 06 set. 2019. CAFFERATTA, Néstor A. Prueba y nexo de causalidad en el daño ambiental. 6° Encuentro Internacional de Derecho Ambiental – Memorias, México, jun. 2008. Disponível em: <http://www.foroconsultivo.org.mx/libros_editados/ambientalistas_6.pdf#page=51>. Acesso em: 30 set. 2019. CALDEIRA, Jorge. Mauá – empresário do Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, 35ª reimpressão, 557 p. CANELA JÚNIOR, Osvaldo. O orçamento e a ‘reserva do possível’: dimensionamento no controle de políticas públicas. In: O controle jurisdicional de políticas públicas (coord. Ada Pellegrini Grinover e Kazuo Watanabe). Rio de Janeiro: Forense, 2ª ed., 2013, p. 225-236. CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito de acesso à jurisdição constitucional. Luanda, Conferência das jurisdições constitucionais dos países de língua portuguesa, jun. 2011. Disponível em: <http://cjcplp.org/wp-content/uploads/2015/09/s1-gomes_canotilho.pdf >. Acesso em: 18 set. 2019. _________. Principios y ‘nuevos constitucionalismos’ el problema de los nuevos princípios. Revista de Derecho Constitucional Europeo, año 7, Núm. 14, jul-dic/2010, p. 321-364. Disponível em: <https://www.ugr.es/~redce/REDCE14/articulos/07JJGomesCanotilho.htm>. Acesso em: 25 set. 2019. CAPELLETTI, Mauro. Repudiando Montesquieu? A expansão e a legitimidade da Justiça Constitucional (trad. Fernando Sá). Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, Porto Alegre, n. 20, p. 261-286, out. 2001 Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/revfacdir/article/view/71892/40768>. Acesso em: 08 nov. 2019. CARSON, Rachel. Primavera silenciosa (trad. Claudia Sant’Anna Martins). São Paulo: Gaia, 2018, 1ª ed., 6ª reimpressão, 327 p. CARVALHO, Délton Winter de. Regulação constitucional e risco ambiental. Revista Brasileira de Direito Constitucional, RBDC, n. 12, jul./dez. 2008. Disponível em: <http://www.esdc.com.br/seer/index.php/rbdc/article/view/192/186>. Acesso em: 30 set. 2019. CARVALHO, Sabrina Nasser de. Processos coletivos e políticas públicas: mecanismos para a garantia de uma prestação jurisdicional democrática. São Paulo: Contracorrente, 2016, 302 p. CAVALCANTI, Francisco Ivo Dantas; RIBEIRO, Ana Célia de Sousa. Comentários à Lei 13.300/2016: a deferência do Poder Legislativo ao entendimento jurisprudencial sobre o mandado de injunção. Revista do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Brasília, DF, v. 31, n. 1, 2019, p. 29-41. Disponível em: <https://rtrf1.emnuvens.com.br/trf1/article/view/15/13>. Acesso em: 22 out. 2019. CAVALCANTI, João Barbalho Uchôa. Constituição Federal brasileira (1891). Brasília: Senado Federal, 2002, 411 p. CAVALCANTI, Themistocles Brandão. Reflexões sobre a democracia. Revista de Ciência Política, n. 1. V. 19, p. 3-12, 1976. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rcp/article/view/59661/58006>. Acesso em: 12 nov. 2019. COMPARATO, Fábio Konder. Sugestões para a contribuição de juízes e advogados à reconstrução da nacionalidade. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, v. 74, 1979. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rfdusp/issue/view/5408>. Acesso em: 04 out. 2019. COSTA, Beatriz Souza. Meio ambiente como direito à vida: Brasil, Portugal e Espanha. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016, 3ª ed., 179 p. COSTA, Susana Henriques da; FERNANDES, Débora Chaves Martines. Processo coletivo e controle judicial de política públicas – relatório Brasil. In: O processo para solução de conflitos de interesse público (coord. Ada Pellegrini Grinover, Kazuo Watanabe, Susana Henriques da Costa). Salvador: JusPodivm, 2017, 650 p. CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. Jurisdição constitucional democrática. Belo Horizonte: Arraes, 2014, 2ª ed., 576 p. DALLARI, Dalmo de Abreu. O habeas data no sistema jurídico brasileiro. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, 2002, n. 97, p. 239-253. Disponível em: <http://www.periodicos.usp.br/rfdusp/article/view/67544>. Acesso em: 28 out. 2019. DIDIER JÚNIOR, Fredie. Curso de direito processual civil. Salvador: Podivm, 2009, vol. 1, 11ª ed., 600 p. DINAMARCO, Cândido Rangel. Fundamentos do processo civil moderno. São Paulo: Malheiros, 2000, vol. 1, 3ª ed., 695 p. ESCALANTE, José Manuel de Cózar. Principio de precaución y medio ambiente. Revista Española de Salud Pública, v. 79, n. 2, 2005. Disponível em: <https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1135- 57272005000200003&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: 11 set. 2019. DINIZ, Maria Helena. Efetividade do direito a ser esquecido. Revista Argumentum, Marília/SP, v. 18, n. 1, p. 17-41, jan./abr. 2017. Disponível em: <>. Acesso em: 29 out. 2019. FERNÁNDEZ, Joan Egea. Relaciones de vecindad, desarrollo industrial y medio ambiente. Derecho del Medio Ambiente y Administración Local, 2004. Disponível em: <http://repositorio.gobiernolocal.es/xmlui/bitstream/handle/10873/1121/medio_ambiente_25_ egea.pdf?sequence=1>. Acesso em: 30 set. 2019. FERRAJOLI, Luigi. Constitucionalismo principialista y constitucionalismo garantista (trad. Nicolás Guzmán). Doxa, Madri, Cuadernos de Filosofía del Derecho, v. 34, p. 15-53, 2011. Disponível em: <https://doxa.ua.es/article/view/2011-n34-constitucionalismo-principialista-yconstitucionalismo-garantista>. Acesso em: 19 nov. 2019. FERREIRA, Lier Pires. As bases do pensamento democrático liberal: uma visita às obras de John Locke e Jean-Jacques Rousseau. Perspectiva Sociológica, n. 3, p. 1-17, mai./out. 2009. Disponível em: <http://cp2.g12.br/ojs/index.php/PS/article/view/441/375>. Acesso em: 12 nov. 2019. FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Princípios do direito processual ambiental. São Paulo: Saraiva, 2016, 6ª ed., 311 p. FISS, Owen. As formas de justiça (trad. Carlos Alberto Salles, Daniel Godinho da Silva e Melina de Medeiros Rós). In: O processo para solução de conflitos de interesse público. Salvador: JusPodivm, 2017, p. 119-173. FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão (trad. Raquel Ramalhete). Petrópolis: Vozes, 27ª ed., 1987, 288 p. FRANCO, José Luiz de Andrade; SCHITTINI, Gilberto de Menezes; BRAZ, Vivian da Silva. História da conservação da natureza e das áreas protegidas: panorama geral. Historiæ, Rio Grande, 6 (2): 233-270, 2015. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/hist/article/view/5594/3503>. Acesso em: 31 ago. 2019. FREITAS, Vladimir Passos de. Reflexões sobre o processo civil brasileiro nas ações de natureza ambiental. Revista Jurídica Luso-Brasileira, ano 4 (2018), nº 6. Disponível em: < http://www.cidp.pt/revistas/rjlb/2018/6/2018_06_2935_2964.pdf>. Acesso em: 01 out. 2019. GIDI, Antonio. A class action como instrumento de tutela coletiva dos direitos – as ações coletivas em uma perspectiva comparada. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007, 525 p. GOMES, Laurentino. 1889. São Paulo: Globo, 2013, 415 p. GOMES, Magno Federici; SÁ, Viviane Kelly Silva. Mandado de injunção como instrumento processual apto à efetivação da logística reversa: a política nacional de resíduos. Revista Húmus, vol. 9, num. 26, 2019, p. 288-307. Disponível em: <http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahumus/article/view/11736/6810> . Acesso em: 23 out. 2019. GRINOVER, Ada Pellegrini. A coletivização de ações individuais após o veto. In: Ação civil pública após 30 anos (coord. Édis Milaré). São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015, p. 19-24. ________. Caminhos e descaminhos do controle jurisdicional de políticas públicas no Brasil. In: O processo para solução de conflitos de interesse público (coord. Ada Pellegrini Grinover, Kazuo Watanabe, Susana Henriques da Costa). Salvador: JusPodivm, 2017, 650 p. ________. Novas tendências na tutela jurisdicional dos direitos difusos. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, 1984, n. 79, p. 283-307. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/67016>. Acesso em: 18 out. 2019. ________. O controle jurisdicional das políticas públicas. In: O controle jurisdicional de políticas públicas (coord. Ada Pellegrini Grinover, Kazuo Watanabe, Susana Henriques da Costa). Rio de Janeiro: Forense, 2ª ed., 2013, p. 125-150. ________. O processo – estudo e pareceres. São Paulo: DPJ, 2006, 701 p. HÄBERLE, Peter. A sociedade aberta dos intérpretes da Constituição – considerações do ponto de vista nacional-estatal constitucional e regional europeu, bem como sobre o desenvolvimento do Direito Internacional (trad. Gilmar Ferreira Mendes). Revista De Direito Público, n. 18, out./nov./dez. 2007, p. 54-79. Disponível em: <https://www.portaldeperiodicos.idp.edu.br/direitopublico/article/viewFile/1292/758>. Acesso em: 26 set. 2019. HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia – entre a facticidade e validade (trad. Flávio Beno Siebeneechler). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2012, vol. I, 354 p. HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição (trad. Gilmar Ferreira Mendes). Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris editor, 1991, 34 p. HOBSBAWM, Eric J. A era do capital (trad. Luciano Costa Neto). São Paulo: Paz e Terra, 2012, 507 p. ________. Da Revolução Industrial Inglesa ao Imperialismo (trad. Donaldson Magalhães Garschagen). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1969. HORTA, Raul Machado. Direito Constitucional. Belo Horizonte: Del Rey, 2010, 5ª ed., 711 p. IHERING, Rudolf Von. A luta pelo direito (trad. João de Vasconcelos). Rio de Janeiro: Forense, 1998, 16ª ed., 88 p. JATOBÁ, Sérgio Ulisses Silva; CIDADE, Lúcia Cony Faria Cidade; VARGAS, Glória Maria. Ecologismo, ambientalismo e ecologia política: diferentes visões da sustentabilidade e do território. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 24, n. 1, p. 47-87, jan./abr. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/se/v24n1/a04v24n1>. Acesso em: 02 set. 2019. JONAS, Hans. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica (trad. Marijane Lisboa e Luiz Barros Montez). Rio de Janeiro: PUC Rio, 2011, 1ª reimpressão, 353 p. LEAL, Aureliano. História Constitucional do Brasil. Brasília: Senado Federal, 2002, 254 p. LEITE, José Rubens Morato; MELO, Melissa Ely. As funções preventivas e precaucionais da responsabilidade civil por danos ambientais. Revista Sequência, n. 55, p. 195-218, dez. 2007. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4818300>. Acesso em: 28 set. 2019. LEIVA, J. Ignacio Núñez. Explorando el neoconstitucionalismo a partir de sus tesis principales: black holes & revelation. Revista ius et praxis, ano 21, n. 1, 2015, pp. 315-344. Disponível em: <https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0718- 00122015000100009>. Acesso em: 16 nov. 2019. LENZA, Pedro. Teoria geral da ação civil pública. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008, 3ª ed., 477 p. LOVELOCK, James. A vingança de gaia (trad. Ivo Korytowski). Rio de Janeiro: Intrínseca, 2006, 160 p. LUCON, Paulo Henrique dos Santos. Lei n. 12.016/09 - aspectos polêmicos da nova lei do mandado de segurança. Revista Eletrônica de Direito Processual, Rio de Janeiro, v. 7. N. 7, 2011, p. 494-509. Disponível em: <https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/redp/article/view/21140/15226>. Acesso em: 25 out. 2019. KOERNER, Andrei. Jurisprudência constitucional e política no STF pós-88. Revista Novos Estudos, 96, jul./2013, p. 69-85. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/nec/n96/a06n96.pdf>. Acesso em: 08 out. 2019. MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2016, 1407 p. _______. Princípios gerais de direito ambiental internacional e a política ambiental brasileira. Revista de Informação Legislativa. Brasília: Senado, ano 30, n. 118, abr/jun. 1993. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/176025/000472131.pdf?sequence=1>. Acesso em: 11 set. 2019. MAGALHÃES, José Luiz Quadros de; CHAVES, Jorge Fulgêncio Silva. Direitos humanos como projeto de sociedade: os direitos essenciais. In: Direitos humanos como projeto de sociedade: caracterização e desafios (org. João Batista Moreira Pinto). Belo Horizonte: Instituto DH, 2018, vol. I, 374 p. MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Ação civil pública. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2019, 15ª ed., 619 p. MANIN, Bernard. A democracia do público reconsiderada (trad. Otacílio Nunes). Revista Novos Estudos, ed. 97, vol. 32, n. 3, p. 115-127, nov. 2013. Disponível em: <http://novosestudos.uol.com.br/produto/edicao-97/>. Acesso em: 15 nov. 2019. ______. As Metamorfoses do Governo Representativo (trad. Vera Pereira). Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 29, 1995, p. 5-34. Disponível em: <http://anpocs.com/images/stories/RBCS/rbcs29_01.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2019. _____. O princípio da distinção (trad. André Villalobos). Revista Brasileira de Ciência Política, nº 4. Brasília, jul./dez. 2010, p. 187-226. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/74880/mod_resource/content/1/manin_distincao.pd f>. Acesso em: 13 nov. 2019. MARINONI, Luiz Guilherme. A jurisdição no estado constitucional. Disponível em: <http://www.marinoni.adv.br/wp-content/uploads/2012/06/PROF-MARINONI-AJURISDIÇÃO-NO-ESTADO-CONSTITUCIONA1.pdf>. Acesso em: 20 set. 2019. ________. Da teoria da relação jurídica processual ao processo civil do Estado Constitucional. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais da UniBrasil, v.1, n. 6, 2006, p. 275-306. Disponível: <http://revistas.unibrasil.com.br/cadernosdireito/index.php/direito/article/view/440/41>. Acesso em: 21 out. 2019. ________. O direito à tutela jurisdicional efetiva na perspectiva da teoria dos direitos fundamentais. Disponível em: <http://www.marinoni.adv.br/wpcontent/uploads/2012/04/PROF-MARINONI-MARINONI-O-DIREITO-À-TUTELAJURISDICIONAL-EFETIVA-NA-PERSPECTIVA-DA-TEORIA-DOS-DIREITOSFUNDAMENTAIS.pdf>. Acesso em: 24 set. 2019. ________. Prova e convicção judicial na tutela do meio ambiente. Disponível em: <http://www.marinoni.adv.br/wp-content/uploads/2012/08/PROF-MARINONI-PROVAMINISTRO-HERMAN-BENJAMIN.pdf>. Acesso em: 30 set. 2019. ________. Tutela de urgência e tutela de evidência – soluções processuais diante do tempo da justiça. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2018, 2ª ed., 380 p. ________. Tutela contra o ilícito: inibitória e de remoção. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015, 272 p. ________. Tutela inibitória e tutela de remoção do ilícito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2019, 7ª ed., 268 p. MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista (trad. Antônio Carlos Braga). São Paulo: Escala, 2009, 103 p. MASI, Domenico de. O futuro do trabalho – fadiga e ócio na sociedade pós-industrial (trad. Yadyr A. Figueiredo). Rio de Janeiro: José Olympio, 2000, 3ª ed., 354 p. MENDES, Gilmar Ferreira. O pensamento de Peter Häberle na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Instituto de Direito Público, Observatório da Jurisdição Constitucional, ISSN 1982-4564, Ano 2, 2008/2009. Disponível em: <https://www.portaldeperiodicos.idp.edu.br/observatorio/article/viewFile/205/173>. Acesso em: 16 out. 2019. ______. O mandado de injunção e a necessidade de sua regulação legislativa. Revista Jurídica da Presidência, Brasília, v. 13, n°100, jul./set. 2011, p. 165 a 192. Disponível em: <https://revistajuridica.presidencia.gov.br/index.php/saj/article/view/134/126>. Acesso em: 22 out. 2019. MILARÉ, Édis; MILARÉ, Lucas Tamer. A ação civil pública como instrumento preventivo/reparatório da danosidade ambiental. In: Ação civil pública após 30 anos (coord. Édis Milaré). São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015, p. 227-269. MILARÉ, Édis. Direito do ambiente. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015, 10ª ed., 1.707 p. MIRANDA, Jorge. Estado social e direitos fundamentais. Doutrina do Superior Tribunal de Justiça – edição comemorativa 15 anos. Brasília: STJ, 2005, 492 p. Disponível em: <https://ww2.stj.jus.br/publicacaoinstitucional/index.php/Dout15anos/article/view/3672/3762 >. Acesso em 12 ago. 2019. _______. Os novos paradigmas do Estado Social. Conferência proferida em 28 de setembro de 2011, em Belo Horizonte, no XXXVII Congresso Nacional de Procuradores de Estado. Disponível em: <http://icjp.pt/sites/default/files/media/1116-2433.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2019. _______. Teoria do Estado e da Constituição. Rio de Janeiro: Forense, 5ª ed., 2019, 702 p. MIRRA, Álvaro Luiz Valery. Ação civil pública em defesa do meio ambiente: ainda a questão da representatividade e da representação adequada dos entes intermediários legitimados para agir. In: Ação civil pública após 30 anos (coord. Édis Milaré). São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015, p. 61-89. MOREIRA, José Carlos Barbosa. A Suprema Corte norte-americana: um modelo para o mundo? Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, 233: 201-211, jul./set. 2003. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/viewFile/45448/45002>. Acesso em: 04 out. 2019. _______. O habeas data brasileiro e a sua lei regulamentadora. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, 211: 47-63, jan./mar. 1998. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/viewFile/47125/45702>. Acesso em: 28 out. 2019. _______. O processo civil brasileiro entre dois mundos. Revista da EMERJ, v. 4, n. 16, 2001, p. 11-22. Disponível em: <http://www.emerj.tjrj.jus.br/revistaemerj_online/edicoes/revista16/revista16_11.pdf>. Acesso em 18 out. 2019. MOTA, Maurício. Princípio da precaução no direito ambiental: uma construção a partir da razoabilidade e da proporcionalidade. Revista Brasileira de Direito do Petróleo, Gás e Energia, Rio de Janeiro, 2006, v. 2., p. 42. Disponível em: <https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/rbdp/article/view/5723/4163>. Acesso em: 25 set. 2019. MOYN, Samuel. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, na história do cosmopolitismo (trad. Revista Meritum). Meritum, Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 225-263, jul./dez. 2015. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6090106>. Acesso em 20 ago. 2019. NAVES, Bruno Torquato de Oliveira; REIS, Émilien Vilas Boas. Bioética ambiental: premissas para o diálogo entre ética, a bioética, o biodireito e o direito ambiental. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2019, 2ª ed., 216 p. _____. Crispr-cas9, biossegurança e bioética: uma análise jusfilosófica-ambiental da engenharia genética. Revista Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 16, n. 34, p. 123-152, jan./abr. 2019. Disponível em: <http://www.domhelder.edu.br/revista/index.php/veredas/article/view/1490>. Acesso em: 29 out. 2019. NOBRE, Carlos Afonso; REID, Júlia; VEIGA, Ana Paula Soares. Fundamentos científicos das mudanças climáticas. São José dos Campos: INPE, 2012, 44 p. Disponível em: <http://www.inpe.br/noticias/arquivos/pdf/fundamentos_cientificos_mc_web.pdf>. Acesso em: 11 set. 2019. NOGUEIRA, Marco Aurélio. Representação, crise e mal-estar institucional. Revista Sociedade e Estado, vol. 29, n. 1, p. 91-111, jan./abr. 2014. Disponível em: <https://periodicos.unb.br/index.php/sociedade/article/view/5867/5310>. Acesso em: 14 nov. 2019. OLIVEIRA, Leandro Dias de. Os limites do crescimento 40 anos depois: das profecias do apocalipse ambiental ao futuro comum ecologicamente Sustentável. Revista Continentes (UFRRJ), ano 1, n. 1, p. 72-96, 2012. Disponível em: <http://www.revistacontinentes.com.br/continentes/index.php/continentes/issue/view/1>. Acesso em: 05 set. 2019. ONU. Assembleia Geral das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10133.htm>. Acesso em: 06 set. 2019. ____. Assembleia Geral das Nações Unidas. Declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente (Estocolmo, em 1972). Disponível em: <https://www.unenvironment.org/Documents.Multilingual/Default.asp?DocumentID=97&Art icleID=1503&l=en>. Acesso em: 06 set. 2019. ____. Assembleia Geral das Nações Unidas. Declaração do Rio sobre o meio ambiente e Desenvolvimento. Disponível em: <http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/rio92.pdf>. Acesso em: 06 set. 2019. ____. Assembleia Geral das Nações Unidas. Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <www.mma.gov.br/estruturas/agenda21/_arquivos/joanesburgo.doc>. Acesso em: 06 set. 2019. ____. Assembleia Geral das Nações Unidas. Protocolo de Kyoto. Disponível em: <www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/protocolo-de-quioto>. Acesso em: 06 set. 2019. ___. Assembleia Geral das Nações Unidas. Acordo de Paris. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/acordodeparis/>. Acesso em: 06 set. 2019. PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. Entrevista com Zigmunt Bauman. Tempo Social, v.16, n.1, São Paulo, jun. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010320702004000100015&script=sci_arttext>.Acess o em: 18 set. 2019. PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. São Paulo: Max Limonad, 1997, 3ª ed., 487 p. PIOVESAN, Flávia Cristina; BRAGA, Fábio Rezende. O consumo consciente e solidário: direitos humanos, movimentos ecológico-sociais e a promoção do desenvolvimento sustentável. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v.13, n.25, p.307-330, Jan/Abr 2016. Disponível em:<http://www.domhelder.edu.br/revista/index.php/veredas/article/view/600/485>. Acesso em: 04 set 2019. RIBEIRO, Leandro Molhano; ARGUELHES, Diego Werneck. Nem evolução, nem renascimento? Contingência e captura corporativa em três décadas de mandado de injunção. Revista de Informação Legislativa: RIL, Brasília, v. 55, n. 219, p. 103-132, jul./set. 2018. Disponível em: <http://www12.senado.leg.br/ril/edicoes/55/219/ril_v55_n219_p103>. Acesso em: 23 out. 2019. RIBEIRO, Luiz Gustavo Gonçalves; BAROUCH, Ricardo Ferreira. A necessária participação da sociedade nas ações civis públicas em prol da tutela ambiental. Revista de Direito Ambiental, vol. 88, ano 22, p. 341-362. São Paulo: RT, out-dez, 2017. _______; LEMES JÚNIOR, Gilson Soares. Judicialização, ativismo judicial e o efeito backflash: o caso da vaquejada. In: Temas de Direito Contemporâneo (coord. Simone Letícia Severo e Sousa Dabés Leão, Luiz Gustavo Gonçalves Ribeiro). Belo Horizonte: Del Rey, 2019, 334 p. RODRIGUES, Éder Bomfim; OLIVEIRA, Anna Cristina Miranda de. O ativismo judicial e suas implicações na ordem constitucional brasileira: uma análise a partir da perspectiva da teoria discursiva do direito e da democracia. In: Perspectivas críticas do direito democrático na sociedade contemporânea (org. Fabrício Veiga Costa, Raphael Maia e Vinícios de Araújo Ayala). Belo Horizonte: D’Plácido, 2018, p. 20-51. ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômicoecológica. Estudos Avançados, v. 26, n. 74, p. 65-92, 1º jan. 2012. Disponível em: <http://www.periodicos.usp.br/eav/article/view/10625/12367>. Acesso em: 02 set. 2019. SALLES, Carlos Alberto. Processo civil de interesse público. In: O processo para solução de conflitos de interesse público (coord. Ada Pellegrini Grinover, Kazuo Watanabe, Susana Henriques da Costa). Salvador: JusPodivm, 2017, 650 p. SAMPAIO, José Adércio Leite. Apresentação. In: SUSTEIN, Cass. A Constituição parcial. Belo Horizonte: Del Rey, 2009, 462 p. _______. Direitos fundamentais como trufas da maioria. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, São Leopoldo, v. 7, n. 3, p. 226-234, set./dez. 2015. Disponível em: <http://www.revistas.unisinos.br/index.php/RECHTD/article/view/rechtd.2015.73.02/5018>. Acesso em: 27 nov. 2019. SANCHÍS, Luis Prieto. Ferrajoli y el neoconstitucionalismo principialista. ensayo de interpretación de algunas divergências. Doxa, Madrid, Cuadernos de Filosofía del Derecho, n. 34, p. 229-244, 2011. Disponível em: <http://rua.ua.es/dspace/handle/10045/32773>. Acesso em: 18 nov. 2019. _______. Neoconstitucionalismos (un catálogo de problemas y argumentos). Revista de Filosofía Jurídica y Política, v. 44, p. 461-506, 2010. Disponível em: <https://revistaseug.ugr.es/index.php/acfs/article/view/516>. Acesso em: 15 nov. 2019. SANTOS, Raimundo Nonato Macedo; PANDIELLA DOMINIQUE, Andrés; LASCURAIN SÁNCHEZ, María Luisa; SANZ CASADO, Elías. Tecnologias verdes para um mundo autossustentável: um olhar sobre Brasil e Espanha. Revista Em Questão, vol. 23, n. 2, 2017, p. 277-294, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Disponível em: <https://www.redalyc.org/pdf/4656/465650858014.pdf>. Acesso em: 11 set. 2019. SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade (da pessoa) humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. Porto Alegre: Livraria do advogado, 2019, 10ª ed., 199 p. ______; FENSTERSEIFER, Tiago. Direito ambiental – introdução, fundamentos e teoria geral. São Paulo: Saraiva, 2014, 456 p. SCRUTON, Roger. Filosofia verde – como pensar seriamente o planeta (trad. Maurício G. Righi). São Paulo: É Realizações, 2016, 412 p. SEABRA FAGUNDES, Miguel. A nova lei do mandado de segurança. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 4, out. 1952, p. 112- 126. Disponível em: <https://www.direito.ufmg.br/revista/index.php/revista/article/view/518/487>. Acesso em: 24 out. 2019. SILVA, Carlos Henrique Rubens Tomé. Estocolmo’72, Rio de Janeiro’92 e Joanesburgo’02: as três grandes conferências ambientais internacionais. Boletim Legislativo nº 6. Disponível em:<https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/242512/Boletim2011.6.pdf?sequence= 1>. Acesso em: 04 set. 2019. SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. São Paulo: Malheiros, 1999, 16ª ed., 871 p. SMANIO, Gianpaolo Poggio. Os 30 anos da ação civil pública: instrumento de efetivação dos direitos da cidadania no Brasil. In: Ação civil pública após 30 anos (coord. Édis Milaré). São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015, p. 299-310. SOUZA, Luciana Cordeiro de. O princípio da prevenção e a proteção das águas doces. In: Direito Ambiental, mudanças climáticas e desastres – impactos nas cidades e no patrimônio cultural (org. Antônio Herman Benjamin, Eladio Lecey, Silvia Cappelli). São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009, vol. 1, 791 p. SOUZA, Luiz Henrique Boselli de. A doutrina brasileira do habeas corpus e a origem do mandado de segurança. Análise doutrinária de anais do Senado e da jurisprudência histórica do Supremo Tribunal Federal. Revista de Informação Legislativa, Brasília, ano 45, n. 177, jan/mar 2088, p. 75-82. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/496909/RIL177.pdf?sequence=8#page =76>. Acesso em: 24 out. 2019. STRECK, Lenio Luiz. A interpretação do direito e o dilema acerca de como evitar juristocracias: a importância de Peter Häberle para a superação dos atributos (eigenschaften) solipsistas do direito. Observatório da Jurisdição Constitucional, Brasília: IDP, Ano 4, 2010/2011, p. 1-32. Disponível em: <https://www.portaldeperiodicos.idp.edu.br/observatorio/article/viewFile/561/373>. Acesso em: 29 nov. 2019. ______. Contra o neoconstitucionalismo. Constituição, Economia e Desenvolvimento: Revista da Academia Brasileira de Direito Constitucional. Curitiba, 2011, n. 4, jan./jun., p. 9- 27. Disponível em: <http://wwww.abdconst.com.br/revista5/revista_final4.pdf#page=8>. Acesso em: 19 nov. 2019. SUNSTEIN, Cass R. A Constituição parcial (trad. Manasses Teixeira Martins e Rafael Triginelli). Belo Horizonte: Del Rey, 2009, 462 p. SUSSEKIND, Arnaldo; MARANHÃO, Délio; VIANNA, Segadas; TEIXEIRA, Lima. Instituições de direito do trabalho. São Paulo: LTr, 2003, vol. 1, 21ª ed., 735 p. TÁCITO, Caio. A administração e o controle de legalidade. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, vol. 37, p. 1-11, 1954. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/13995>. Acesso em: 15 nov. 2019. TAMAIO, Irineu. Documento descritivo contendo proposta de campanha sobre educação ambiental e mudanças climáticas, incluindo estratégia de execução. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/produto_ii_relatorio_finalcampanha_ irineu_tamaio_20.pdf>. Acesso em: 28 set. 2019. TEIXEIRA, Sonia Maria Fleury. Cidadania, direitos sociais e Estado. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, out./dez. 1986, p. 115-140. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/9979>. Acesso em: 14 ago. 2019. TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Direitos humanos e meio-ambiente: paralelo dos sistemas de proteção internacional. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris editor, 1993, 351 p. URBINATI, Nadia. O que torna a representação democrática? (trad. Mauro Soares). Lua Nova, São Paulo, 67: 191-228, 2006. Disponível em: <http://desafios2.ipea.gov.br/participacao/images/pdfs/participacao/outras_pesquisas/urbinati. pdf>. Acesso em: 11 nov. 2019. URETA, Karla Elizabeth Mariscal. Tutela jurídica de los derechos colectivos ambientales. Perfiles de las Ciencias Sociales, año 5, n. 9, jul.-dic. 2017, 15-38 pp. Disponível em: <http://www.revistas.ujat.mx/index.php/perfiles/article/view/3105/2327>. Acesso em: 27 set. 2019. WOLKMER, Antônio Carlos. Do paradigma político da representação à democracia participativa. Sequência, v. 22. N. 42, p. 83-97. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/15395>. Acesso em: 14 nov. 2019. VARELA, Alfredo. Direito Constitucional brasileiro – reforma das instituições nacionais. Brasília: Senado Federal, 2002, 539 p. VELLOSO, Carlos Mário da Silva. Pedro Lessa e a teoria brasileira do habeas corpus. Revista da Academia Brasileira de Letras Jurídicas, v. 20, n. 26, p. 173-189, jul./dez. 2004. Disponível em: <http://www.ablj.org.br/revistas/revista26.asp>. Acesso em: 24 out. 2019. VERNET I LLOBET, Jaume; JARIA MANZANO, Jordi. El derecho a un medio ambiente sano: su reconocimiento en el constitucionalismo comparado y en el derecho internacional. Teoría y Realidad Constitucional, n. 20, p. 513-533, jul. 2007. ISSN 2174-8950. Disponível em: <http://revistas.uned.es/index.php/TRC/article/view/6774>. Acesso em: 03 out. 2019. VIEIRA, Germano Luiz Gomes. A avaliação ambiental estratégica como manifestação concreta do princípio da precaução e a emergência de sua institucionalização no Brasil. In: Direito Ambiental, mudanças climáticas e desastres – impactos nas cidades e no patrimônio cultural (org. Antônio Herman Benjamin, Eladio Lecey, Silvia Cappelli). São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009, vol. 1, 791 p. VIEIRA, Padre Antônio. Pregado no real convento da esperança, em Lisboa, ano de 1669. Disponível em:<https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=download&id=49886>. Acesso em: 03 out. 2019. VILLALOBOS, Marco Feoli. Judicialización de la política y activismo judicial: una aproximación a América latina. Revista Latinoamericana de Derechos Humanos, v. 27, I sem. 2016, p. 75-98. Disponível em: <http://45.162.204.69/index.php/derechoshumanos/article/view/8373/9583>. Acesso em: 21 nov. 2019. WATANABE, Kazuo. Cultura de sentença e cultura de pacificação. In: Estudos em homenagem à professora Ada Pellegrini Grinover (org. Flávio Luiz Yarshell e Maurício Zanoide de Moraes). São Paulo: DPJ, 2005, p. 684-690. ZAVASCKI, Teori Albino. Processo coletivo: tutela de direito coletivos e tutela coletiva de direitos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, 5ª ed., 270 p. ZOLA, Émile. Germinal (trad. Francisco Bittencourt). São Paulo: Martins Claret, 2006, 456 p. ZUFELATO, Camilo. Controle judicial de políticas públicas mediante ações coletivas e individuais. In: O controle jurisdicional de políticas públicas (coord. Ada Pellegrini Grinover e Kazuo Watanabe). Rio de Janeiro: Forense, 2ª ed., 2013, p. 309-331.por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by/4.0/-
dc.subjectEstado Ambiental. Meio ambiente. Participação popular. Processo coletivo. Qualidade de vida.por
dc.subject.cnpqDIREITO::DIREITO PUBLICOpor
dc.titleESTADO AMBIENTAL E A SUA TUTELA JUDICIAL - Proteção ecológica e participação popular por meio do processo coletivo democráticopor
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:2. Dissertações (Mestrado)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
RICARDO BAROUCH.pdf1.15 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons